sábado, 27 de novembro de 2010

Update on Kikko (or... can a head halter help with separation problems?)


This post is an update on what’s been going on with Kikko since he came back. You can read the initial description here



So… Kikko hás been here for 4 weeks. Some days have been better, some days have been worst, but the good days are becoming more frequent. Specially in this last week there has been a great improvement! We’ll get to that…

His adaptation to the rest of my dogs was awesome! It seems as if he never left! Since day 1 I have been letting him loose with his siblings, his mother, his “cousins”, “uncles” and “grandmother” (i.e. with the other Drevers and Dachshunds) and there has never been any aggressive reaction from anyone, no one kept aside, no one trying to dominate. I’m not surprised about that with the Drevers, my experience with them is that they are not dominating dogs. I was a bit surprised with the Dachshunds, but I suppose the age of all the puppies – 10 months – aids in no one trying to impose themselves or posing a “threat” to the older ones. All my dogs are also used to being with dogs of different sizes and ages, which also helps to build tolerance.

Actually, as far as adaptation goes, Kikko has been doing wonders to Pinhão, a 4 year old Dachshund. Since I’ve had him 2 years ago, he has always been very shy and interacting very little with other dogs. However, for the first time I see him playing like a puppy! It seems he found his soul mate on Kikko! :)
However, Kikko’s coming here had one drawback for Pinhão. He is an extremely sensitive dog, the type that when he feels a bit more stress from people will lie down on the floor, avert gaze and do absolutely nothing. It takes a lot of encouraging and some patience for him to build up enough confidence to come back to me. Well, these days have been quite stressful for me – I’m already naturally stressed, and with Kikko’s problems I’ve been even more stressed, especially with the near constant and persistent barking. It took me a while to realize this situation, so I’ve been doing an even bigger effort for self-control. And the progresses done with the puppy are also helping all of us to be more relaxed!

After a little more than a week, Kikko adjusted to our normal rhythm. He has always been an apartment dog, going out for walks on a leash (and, until very recently, a very thigh leash, because of his arm problems). Here, the dogs spend a good part of the day loose on the yard, in different groups. At first, he would not want to stay there for more than a few minutes at a time before starting to bark anxiously, as when he sees me disappear. But gradually he started to relax on the yard for longer periods, and now he does not bark to get out during all the time the dogs are there. He just does it when I start taking dogs out and I don’t take him, even if the order of the changes is the same every day – after all, both the dogs and myself like our steady routines. But that is changing… we’ll get to that…

In the mean time, as Kikko adjusted to the routines and a steady feeding schedule (before he had food ad libitum), his hygiene at home improved greatly. In the past 2 weeks, give or take, there have been no more accidents at hom. And when he needs to go out, he is starting to ask for it. He is still peeing at home, but now it is possible to find a context – lately he has only been doing it when I leave the house momentarily to take care of the other dogs. In this situation, he either barks or pees in the house. But that is also changing… we’ll get to that… (Are you staring to get the idea many chnges have happened in the past few days? ;) )

There was however a little setback, quickly resolved. After a couple of weeks after getting Kikko back, I had to leave for the weekend. So I asked the girl who sits for my dogs to come. All the other dogs know her well by now – except Kikko. Despite not having any more problemas apart from the usual (barking, peeing), I noticed that in the first days after that Kikko got a little worse, barking more and with a more anxious pitch and peeing more. But towards the end of the week he was back to normal. I guess he realized I was not going to disappear.

Regarding his crate training, there has been some progress. Thanks to sleeping and eating in there every night and using the kong during the day, he already goes happily to this crate!... Even when he does not need it but thinks he may get something by going! ;) However, if I crate him during the day, after a short while or if he thinks I’m leaving, he starts to bark a lot. And the kong is not helping here - even stuffed with treats he really likes, he will play a bit but when he realizes I’m about to leave he’ll start barking. During the night I have no problems, only when it gets close to getting up time. In this case, although he will not bark continuously as during the day, he will whine and bark sporadically until I get up, get ready and let him out; sometimes he will even soil the crate.

Against my expectations, I managed to find a head halter in town. Before I started suing it to attach the leash, to teach Kikko not to pull on the leash, I spent about a week and a half to get him used to using it without signs of discomfort or stress – many sessions of feeding treats through the loop, then with the loop on the muzzle, then attaching and releasing the halter, then having it on for a few minutes, then for several minutes. When I felt him at ease with the halter on, I started taking him out to the yard with it. In the beginning he still tried to fight it when he felt the resistance on the head, but with some treats he quickly realized where he could go without pushing on the leash. I’m also always using the same leash with him, so it is easier for him to learn the limits than if I was using leashes of different length or a retractable leash.
Even after I started taking him out on leash with the halter, I continued putting it on at home in different situations, so there would be no strict association between the halter and going out. And this brought me some unexpected benefits! And now yes, we got to that! ;)

Some days ago, a Facebook friend shared a link about the use of a face wrap to get a dog to stop barking inappropriately. I had heard of body wraps to help control fear and anxiety, but it was the first time I had heard about something similar for the muzzle. Initially, it seemed like a silly idea, the dog could easily take it off, or if he stopped barking it was because o the stress of having that thing around his muzzle.
(But then again, the first time I heard about clicker training, over 10 years ago, it also seemed like an unnecessary concept and after learning how to do it and seeing the behavior change in my own dog I became a total fan! So I will not immediately dismiss something I don’t know)
So… I read the text in the link, made a mental note and didn’t think about it again. Or rather, I probably would not have thought about it again, but something happened which I probably wouldn’t have even noticed if I hadn’t read the piece! And I said above, I was getting Kikko used to the head halter for several days, and could not longer see stress signs when he was wearing it. Back then I was already having him use the halter at home for some stretches of time. And it happened that during one of those periods I went out to switch the dogs I had loose on the yard. And for the first time I left home and he was not barking! Nor peeing! Nor jumping up my legs when I got back, he just came quietly. Hmmm… weird, this is not the Kikko I know! Well… a coincidence, I though… But that situations and the piece I had just read were tumbling in the back of my mind. So, since a week ago, I decided to start putting the halter on each time I had to leave the house for a bit (switching dogs, taking care of the others, etc.). And lo and behold, he did stop barking, when in those situations he would systematically do it. And the peeing in those situations also stopped! Yeah, one problem controlled! And as for barking on the year when I start taking dogs out and not him? Well, let’s give it a try too… I put the halter on when I start to take the dogs out and voilá, he stopped barking on that situations also. One more problem under control!
I was thinking… did he stop barking because he was uncomfortable wearing the halter? I don’t think so. I’ve been noticing that, either at home or outdoors, even with the halter on he still barks on “normal” situations (when he sees strangers, when he plays with other dogs, when he’s disputing a toy), it is just the anxious barking that stopped. Indeed so, I’m actually considering starting to use the halter when he’s on his crate, to see if it also works on that situation.
And after one weeks using the halter on this “secondary” role, I see that even when he’s not wearing it, I can change the dogs on the yard or leave the house for a while and the bark has considerably decreased. And despite that in this situation the peeing has returned (well, it’s fairly ok, I’d rather deal with pee that with the dog with the lungs from hell!), I notice Kikko is less anxious and excited when I get back home.

Kikko, Alfinete and Pinhão
So, in short, I think this week remarkable progress has been made! Kikko’s habituation to the home rhythms, his friendship with the other dogs (specially Pinhão and Alfinete) and, most especially, the major behavioral changes I saw this week with the help of the halter point towards an excellent recovery. Although I am aware it will be a long path!
Righ now, my main question is about if whether or not a full habituation will happen in the sense that the halter will no longer work on his “secondary” role. However, as I see some behavioral changes even when Kikko’s not wearing it, I’m hopping improvement will become more permanent


(P.S. – His serious look on the photo is not because of the halter, it’s because he was not too happy about being on top of a table, but it was the only way I could manage to get a decent photo of him all by myself)

Actualização sobre o Kikko (ou... pode um halti auxiliar em casos de problemas por separação?)

(English version above)


Este post é uma actualização ao que se tem passado com o Kikko desde que para cá veio. Podem ler o post inicial aqui



Bem… O Kikko já cá está há 4 semanas. Houve dias melhores, houve dias piores, mas os dias melhores estão a ser os mais frequentes. Sobretudo na última semana houve uma grande melhoria! Já lá vamos…

A adaptação aos meus restantes cães foi um espectáculo! Parece que nunca de cá saiu! Desde o primeiro dia que o solto juntamente com os irmãos, com a mãe, com os “primos”, “tios” e “avó” (ou seja com os restantes Drevers e Teckels) e nunca houve nenhuma reacção de agressividade de parte a parte, ninguém se manteve à parte, ninguém se tentou impor. Quanto aos Drevers, isso não me espantou, a experiência que tenho tido é que não são cães que se tentem impor. Em relação aos Teckels, surpreendeu-me um pouco, mas suponho que a idade da cachorrada toda – 10 meses – ajuda a quem ninguém tenha ideias de se tentar impor ou de constituir uma “ameaça” aos mais velhos. Todos os meus cães estão também habituados a estar com cães de diferentes tamanhos e idades, o que também ajuda à tolerância.

Aliás, a nível de adaptação, o Kikko fez maravilhas ao Pinhão, um Teckel com 4 anos. Desde que o tenho há mais de 2 anos, ele sempre excessivamente muito retraído e pouco interactivo com os outros cães. No entanto, pela primeira vez vejo-o a brincar como se fosse um cachorro! Parece que encontrou a sua alma gémea no Kikko! :)
No entanto, a vinda do Kikko teve uma desvantagem para o Pinhão. Ele é um cão extremamente sensível, é o tipo de cão que se sente um pouco mais de stress da parte das pessoas, deita-se no chão, evita encarar-me e não se consegue fazer nada dele; é preciso muito encorajamento e alguma paciência para que ele recupere a confiança suficiente para ele voltar ao que estava a fazer ou vir ter comigo. Ora, estes dias têm sido bastante stressantes para mim, pois se eu já sou stressada por natureza, com os problemas do Kikko ainda tenho andado mais, sobretudo com o ladrar quase constante e persistente. Demorei um pouco a aperceber-me desta situação, mas tenho feito um esforço ainda maior de auto-controlo. E os progressos que andam a ser feitos com o cachorro também estão a ajudar a andarmos todos mais relaxados!

Ao fim de pouco mais de uma semana, o Kikko acabou por se integrar no ritmo normal cá de casa. Ele sempre foi cão de apartamento e a ida à rua era à trela (e, até muito recentemente, bastante controlado por causa dos problemas da pata). Aqui, os cães passam uma boa parte do dia à solta num parque, em diferentes grupos. De início ele não queria ficar mais do que alguns minutos de cada vez, depois começava a ladrar, ansioso, da mesma forma que quando me vê desaparecer, mas gradualmente começou a ficar descontraído no parque cada vez mais tempo, e agora não ladra para sair durante todo o tempo que lá está, apenas quando começo a tirar os cães para os trocar e não o tiro logo a ele, apesar de a ordem das trocas ser a mesma todos os dias – afinal, quer os cães quer eu própria gostamos das nossas rotinas fixas! Mas isso está a mudar… já lá chegamos…

Entretanto, à medida que o Kikko se foi adaptando às rotinas, e a um horário de alimentação fixo (antes tinha a comida à disposição) a higiene em casa começou a melhorar bastante. Nas últimas duas semanas, aproximadamente, deixou de haver acidentes em casa. E quando precisa de ir à rua fazer algo já começa a pedir. Tem continuado a urinar em casa, mas desta vez é possível contextualizar a razão – nos últimos tempos já só anda a fazê-lo quando eu saio de casa para tratar dos outros cães; nestas situações, ou fica a ladrar ou vai urinar em alguns locais da casa. Mas isso também está a mudar… já lá vamos… (Já perceberam que estão a ocorrer muitas mudanças nos últimos dias? ;) )

Houve porém um pequeno revés, rapidamente resolvido. Ao fim de 2 semanas, precisei de sair durante um fim-de-semana. Ficou cá em casa a rapariga que me costuma tratar dos cães, e que os restantes já conhecem bem – menos o Kikko. Apesar de não ter havido mais problemas que os que andavam a haver (ladrar, urinar), reparei que nos primeiros dias o Kikko regrediu um bocado, voltando a ladrar mais e com um tom mais ansioso, e urinando mais. Mas mais para o fim da semana já tinha volta ao normal, lá há-de ter percebido que eu afinal não ia desaparecer.

Em relação às estadias na caixa, há alguns progressos… Graças a dormir e comer nela todas as noites, e à utilização do Kong durante o dia, já vai para a caixa feliz e contente!... Mesmo quando não precisa mas pensa que pode ganhar algo em ir para lá! ;) No entanto, se o fecho na caica durante o dia, ao fim de pouco tempo, ou se pensa que eu vou sair, começa a ladrar muito. E aqui o Kong não está a ajudar; mesmo recheado de coisas que ele gosta bastante, brinca um pouco com ele mas quando se apercebe que me estou a preparar para sair começa a ladrar. Durante a noite não há esse problema, apenas quando se aproxima a hora normal de me levantar. Nessa altura, apesar de não ficar a ladrar em contínuo como de dia, fica a choramingar e a soltar alguns latidos até eu me levantar, arranjar e o soltar; por vezes chega mesmo a sujar a caixa.

Contra as minhas expectativas, consegui encontrar um halti à venda onde vivo. Antes de o começar a usar para prender a trela, para o começar a habituar a deixar de puxar, passei cerca de uma semana e meia a habituá-lo a usá-lo sem sinais de desconforto ou stress – muitas sessões de guloseimas dadas através do anel do halti, depois com o anel posto, depois começando a apertar o halti e soltá-lo, depois a usá-lo durante alguns minutos, depois durante vários minutos. Quando o senti à vontade com o halti posto, comecei a levá-lo com ele para o parque. De início ainda tentou lutar um pouco quando sentiu a resistência na cabeça quando puxava, mas com algumas recompensas rapidamente aprendeu até onde é que podia ir sem puxar a trela. Estou também a usar sempre a mesma trela com ele, pelo que se torna mais fácil aprender os limites do que com trelas de diferentes tamanhos ou com uma trela extensível.
Mesmo depois de o começar a levar à trela com o halti, continuei a pô-lo em casa em diferentes situações, para não criar uma associação estrita entre o halti e a rua. E isto trouxe-me alguns benefícios inesperados! E sim, agora vamos lá! ;)

Há uns dias, uma amiga no Facebook partilhou um link relativo à utilização de um face wrap, uma tira elástica que se coloca no focinho do cão para o desabituar de ladrar. Já tinha ouvido falar dos body wraps, bandas elásticas que se põem à volta do corpo do cão (há mesmo empresas que fazem tipo uma “camisola”), e que ajudarão a controlar medo e ansiedade nos cães, mas foi a primeira vez que ouvi falar em algo semelhante para a focinho. De início pareceu-me uma ideia tola, que o cão facilmente poderia tirar aquilo, ou se se calasse era por causa do stress de ter uma coisa à volta do focinho.
(Por outro lado, da primeira vez que ouvi falar de treino com clicker há mais de 10 anos também me pareceu um conceito desnecessário, e depois de aprender como se fazia e ver a diferença de atitude no meu próprio cão, tornei-me uma fã convicta! Por isso não digo desta água não beberei…)
Bem… li o texto do link, registei mentalmente mas não voltei a pensar nele. Ou melhor, não teria voltado a pensar se não me tivesse sucedido uma coisa que possivelmente nem me teria apercebido se não tivesse lido esse artigo! Como disse acima, andava há vários dias a habituar o Kikko ao halti, e já não me apercebi de sinais de stress com ele posto. Na altura andava a pôr-lhe o halti em casa durante algum tempo de cada vez. E calhou durante esses períodos começar a sair de casa para ir trocar os cães que andavam à solta no parque. E pela primeira vez, pude sair de casa e o cão não ficou a ladrar! Nem urinou! Nem me saltou para as pernas quando voltei a entrar em casa, apenas me veio cumprimentar calmamente. Hmmm… estranho, este não é o Kikko que conheço! Bem… coincidência, pensei… Mas essa situação e o artigo que tinha acabado de ler ficaram aqui a remoer no fundo da minha mente. Então, desde há uma semana, resolvi começar a pôr-lhe o halti cada vez que tinha de sair um pouco de casa (trocar cães, cuidar dos restantes, etc.). E efectivamente o cão deixou de ladrar, quando antes o fazia sistematicamente. E o urinar nestas situações também parou! Boa, um problema controlado! E quanto ao ladrar no parque quando começo a tirar cães e não o tiro a ele? Bem, vamos experimentar a ver se também resulta… Ponho-lhe o halti quando começo a tirar e vou arrumar outros cães e voilá, parou de ladrar nessa situação também. Mais um problema controlado!
Pensei… será que ele parou de ladrar por se sentir incomodado com o halti na cabeça? Não me parece – tenho reparado que, quer em casa quer na rua, mesmo com o halti posto ele ladra em situações “normais” (quando vê gente estranha, quando brinca com outros cães, quando disputa um brinquedo), é apenas o ladrar derivado da ansiedade que parou. Aliás, tanto que estou seriamente a considerar experimentar pôr-lhe o halti quando fica na caixa, a ver se também funciona nessa situação.
E ao fim de uma semana a usar o halti nesta função “secundária”, estou a constatar que mesmo quando não lho ponho, o ladrar quando estou a trocar cães do parque ou quando saio de casa por momentos diminuiu drasticamente; e apesar de nesta última situação o urinar ter voltado (bem, menos mal, prefiro lidar com uns quantos xi-xis que com o cão com os pulmões do Inferno!), noto o cão menos ansioso e excitado quando volto a entrar em casa.

Kikko, Alfinete e Pinhão
Portanto, em resumo, penso que esta semana foram feitos progressos notáveis! A habituação do Kikko ao ritmo de vida cá em casa, a amizade que tem com os outros cães, principalmente com o Pinhão e com o Alfinete e, sobretudo, as grandes alterações comportamentais que vi esta semana com a ajuda do halti indiciam uma excelente recuperação. Apesar de ter a noção que vai ser um caminho longo!
Neste momento, a minha principal questão tem a ver com a dúvida se o irá ocorrer um processo de habituação tal que auxílio que o halti tem dado na sua função “secundária” desapareça. No entanto, como noto já mudanças comportamentais mesmo quando o Kikko não o está a usar, espero que as melhorias se tornem mais permanentes.


(P.S. – O ar sério que ele tem na foto não é por estar a usar o halti, é memso porque ele não estava particularmente feliz de estar em cima de uma mesa, mas foi a única forma de lhe conseguir tirar uma foto sozinha)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

1ª Jornada do Fórum "Selecção de reprodutores - A luta diária de um criador"

A 1ª Jornada do Fórum “Selecção de reprodutores – a luta diária de um criador”, subordinada ao tema “Escolha e preparação dos reprodutores. Tipos de selecção. Fenótipo e Genótipo”, decorrerá no dia 4 de Dezembro de 2010, na Sede do Clube Português de Canicultura, sita à Rua Frei Carlos, nº 7, 1600-095, Lisboa.
A data limite de inscrição é o dia 25 de Novembro (há limite de inscrições).
Mais informações no site do Clube Português de Canicultura, onde está disponível o programa e a ficha de inscrição.

domingo, 7 de novembro de 2010

Kikko





Kikko (A Special One de Aradik), 9 month-old Drever puppy, has come back home for a while. He has been having some problems my mom can’t handle at the moment, for several professional and personal reasons.
Kikko’s infancy was different from that of a normal puppy, to say the least, which has contributed to some of his problems. He had osteomyelitis, which lead to one of his arm’s radius and ulna break in several pieces. So, he spent several months with his arm on a splinter, waiting to grow up enough to undergo surgery. After that, he spent some weeks with the pins in the arm and then again with the splinter. So, he spent several months with very controlled and restricted movement, with short walks on a short leash. This is something very complicated on a naturally very active puppy, and unavoidably lead to him having a high stress level. Truth be said, Kikko has been the living example of how dogs have no notion of their limitations and has always been an overwhelmingly happy dog with everything and everyone. However, all his restrictions growing up built up frustrations, and those subtle stress signs (as, for example, the lips too pulled back) were always present. And stress led to even more activity (which is something a Drever puppy usually does not lack!)
Kikko also has separation problems. Not the type leading to home destruction (fortunately), but the type where he barks continuously when there are no people around – and a Drever has a nice set of lungs! Something that probably did not help were the frequent visits to the vet – as my mom’s and the orthopedic surgeon’s work schedules were normally incompatible, he would often spend a good part of the day at the vet’s – barking continuously. This did not make him afraid of the vet office, quite on the contrary, he still happily goes there, but certainly added to his anxiety.
And as only recently I managed to convince my mother to use a crate, to help solve Kikko’s lack of hygiene at home, especially when no one is there for a few hours, he is still in the middle of this learning.

So, at the moment, there are several issues to deal with:
- excessive barking when no people are around (even if his favorite canine playmates are around);
- excessive pulling on the leash, due to excitement (and a Drever has a strength inversely proportional to his size!);
- lack of crate manners (despite him staying quietly at night);
- the somewhat frequent “accidents” at home (which I think are a combination of lack of hygiene and stress-related).

So, what am I doing?
Kikko has only been here for 6 days, but there are already some progresses.
A good part of his frustration was due to his restricted movement during growth. At the moment, his leg treatments are over, so he can finally start having a normal life. Here I can have the dogs loose in the yard a few hours a day, so the increase of free exercise is starting to show some results. Even his bark no longer has that tone of anguish. When he barks for a long time because no person is around, it’s no longer the rapidly succeeding barks, but rather a “normal and frequent” bark (hmm… how to describe it without sound?), intermingled with some (short) breaks.
I got a Kong, a rubber hollow toy, which can be filled inside with food and/or treats; dogs usually love it and can spend a long time (hours even) with it, trying to reach all of the inside. As it was an instant success, I’m using it to get Kikko to willing go and stay in his crate. I’ve started already to close the crate’s door for a few minutes at a time. The plan is to gradually increase the time he can stay in the crate without barking, so I can leave home and leave him quiet and safe, like the rest of the dogs.
I’m also working on his “crate manners”, by only getting out when I tell him to, so he learns to control the anxiety – something he is learning so well a few minutes ago I opened his door and wondered why he was not getting out, only after did I realize he was waiting to be released! ;)
As for the separation anxiety, I’ve been ignoring his barks when I leave the house or the floor and ignoring him when I get home and he jumps over me. I only give him attention when he calms down. As my house has a balcony than runs along half of it and can be accessed by different rooms, as well as a garage at the ground floor, with an internal access to the upper floor. So I am leaving and entering the house from different rooms, so the front door isn’t exclusively associated with me going away. I’ve also putting my coat on and off without necessarily leaving, so as to try to break the associations the dog may have made regarding the different “rituals” people have when they’re preparing to leave home. This will be the most difficult issue to deal with.
Also, moments of petting and cuddling are reserved to when the dog is calm, and interrupted when he gets too excited. The idea is to start creating habits of self-control, decreasing over-excitement.
The next steps will be to get a head halter, which unfortunately I can’t find where I live, so I can start working better on his pulling on the leash. I also plan to star teaching him basic obedience, so I can replace unwanted behaviors (like jumping up on people) by other, incompatible, ones (like sitting down). At the same time, as these are static positions, they may help decrease the excitement level.
As for his hygiene problems, I think they will work themselves out, as Kikko adjusts to our rhythm, to being out loose for quite some time and as the general stress level decreases.
Finally, another thing I’ve been trying to do is… work on my patience! ;)

I have the advantage of working mainly from home, which allows me to be more available to small details I can work with Kikko. Also, at this time of the year, temperatures are a lower, so when I leave home I can take him with me in the car instead of leaving him barking at home (in the car he stays quietly in his crate), at least until I can trust him there. However, I also have the disadvantage of having jobs that require too many hours and having several dogs, so I cannot pay the attention I would like to some details. But we’ll get there with time…

Kikko has only been here for 6 days. I can already see some improvements, such as an overall decrease in anxiety, but some days go better than others. And he is still adjusting to a new environment, which he only knew from the occasional weekend spent here. Only in the next days/weeks will he start feeling at home and showing his true “colors”. Anyway, this will be a lengthy path, but I think as his trust level (on others and himself) increases, and with some guidance, he will end up a well adjusted dog.
If anyone has any ideas or suggestions to ease this process, I’d love to hear them!

Kikko




O Kikko (A Special One de Aradik), cachorro Drever de 9 meses, vem passar uma temporada de volta a casa. Ele está com alguns problemas com que a minha mãe neste momento não está a conseguir lidar, por várias razões profissionais e pessoais.
A infância do Kikko foi, no mínimo, diferente da de um cachorro normal, o que em muito terá contribuído para alguns dos seus problemas. Devido a uma osteomielite, que levou a que o rádio e o cúbito de um dos braços se partissem em vários pedaços, passou vários meses com a pata numa tala, enquanto se esperava que crescesse o suficiente para poder ser operado; depois da operação foram ainda algumas semanas com os ferros na pata e depois mais umas semanas novamente com tala. Ou seja, foram vários meses de movimento muito controlado e restrito, com passeios de trela curta a limitá-lo, algo extremamente complicado num cachorro já de sim muito activo e que inevitavelmente acabou por lhe criar um elevado nível de stress. Verdade seja dita, o Kikko tem sido o exemplo vivo de como os cães não se apercebem das suas limitações, e sempre foi um cão extremamente alegre com tudo e com todos. Porém, todas as condicionantes que teve durante o seu crescimento inevitavelmente acabaram por o levar a alguma frustração, e aqueles subtis sinais de stress (como por exemplo os lábios ligeiramente repuxados demais), estavam sempre presentes. E o stress manifestou-se em ainda mais actividade (coisa que já normalmente não falta num bebé Drever!)
Adicionalmente, o Kikko tem também problemas por separação. Não do estilo de destruir a casa (felizmente), mas de ficar a ladrar continuamente quando não há pessoas presentes – e um Drever tem uns valentes pulmões! A isto também não devem ter ajudado as frequentes visitas ao veterinário – como o horário de trabalho da minha mãe e o do ortopedista que o acompanhou eram frequentemente incompatíveis, muitas vezes o cão passava uma boa parte do dia no veterinário – a ladrar continuamente. Isto não o fez ter medo de consultórios; antes pelo contrário, continua a ir para lá alegremente, mas há-de ter contribuído para a ansiedade dele.
E como apenas recentemente tinha conseguido convencer a minha mãe a usar uma transportadora, para ajudar a resolver o problema da falta de higiene do Kikko em casa, sobretudo quando não está ninguém em casa durante algumas horas, o cão ainda está a meio desta aprendizagem.

Portanto, neste momento, há vários problemas a lidar:
- o ladrar excessivo quando está sem pessoas por perto (mesmo que tenha outros cães com ele, com quem normalmente adora brincar);
- o puxar excessivamente na trela, devido à excitação (e um Drever tem uma força inversamente proporcional ao seu tamanho!);
- os “descuidos” algo frequentes em casa (que penso que sejam uma combinação de falta de higiene e de manifestação de stress);
- o não gostar de estar na caixa (apesar de já saber ficar lá sossegado de noite).

E o que estou a fazer?
O Kikko ainda só cá está há 6 dias, mas já começam a haver alguns progressos.
Uma boa parte da sua frustração derivava do movimento restrito a que teve de ser sujeito durante o crescimento. Nesta altura, os tratamentos à sua pata estão terminados, pelo que finalmente pode começar a ter uma vida relativamente normal. Aqui tenho a possibilidade de ter os cães à solta fora de casa algumas horas por dia, pelo que o aumento de exercício livre está a começar a mostrar alguns resultados. Mesmo no ladrar dele já não se nota aquela angústia que tinha; até quando ladra bastante tempo por não ter ninguém ao pé dele, já não são os latidos em rápida sucessão, mas apenas um ladrar “normal e frequente” (hmm… como descrever sem som?) e entrecortado por alguns (curtos) momentos de pausa.
Arranjei um Kong, um brinquedo de borracha oco no meio, que se enche de alguma comida gostosa, que os cães normalmente adoram e que permite que passem bastante tempo (horas mesmo) a entreter-se com ele, a tentar chegar a todo o interior. Como foi um sucesso instantâneo, estou com ele a habituar o cão a ir e ficar por sua vontade na transportadora. Já comecei a fechar-lhe a porta da transportadora, poucos minutos de cada vez, com o objectivo de ir gradualmente aumentando o tempo em que ele fica fechado sem ladrar, de forma a poder sair de casa e deixá-lo sossegado e em segurança, tal como faço com os outros cães.
Também ando a trabalhar as suas “maneiras” na transportadora, a só sair quando lhe digo, de forma a controlar a sua ansiedade - algo que está a aprender tão bem que há pouco quando lhe abri a porta fiquei a pensar porque é que ele não saia, só depois é que me apercebi que estava à espera que eu o autorizasse! ;)
Quanto à ansiedade por separação, ando a ignorar os latidos dele quando saio de casa ou do piso e a ignorá-lo quando chego a casa e ele salta para cima de mim. Apenas lhe dou atenção quando acalma. Como a minha casa tem uma varanda que corre ao longo de metade da casa, com acesso por várias divisões, bem como uma garagem no piso inferior com acesso interno à casa, estou a sair e entrar de casa por diferentes divisões, de forma a que a porta de entrada não seja associada exclusivamente com o eu sair de casa. Também estou a vestir e despir o casaco sem sair necessariamente à rua, de forma a tentar quebrar as associações que o cão tem em relação aos “rituais” que as pessoas têm quando se preparam para sair para a rua. Este será o problema mais complicado de lidar.
Além disso, os momentos de festas e mimos são reservados para quando o cão está calmo e interrompidos quando se começa a excitar demasiado. O objectivo é começar a criar-lhe hábitos de auto-controlo, diminuindo a sua sobre-excitação.
Os próximo passos serão adquirir um halti, que infelizmente não há à venda onde vivo. Este é um dispositivo que se coloca na cabeça e onde se prende a trela. Quando o cão puxa na trela, a cabeça muda de posição e o cão deixa de puxar. Isto será para começar a trabalhar no puxar demasiado na trela. Pretendo também começar a ensinar-lhe as ordens básicas de obediência, de forma a substituir os comportamentos indesejados (como o saltar para cima das pessoas) por outros incompatíveis (como sentar-se); ao mesmo tempo, por serem posições estáticas, poderão ajudar a diminuir o nível de excitação.
Quanto aos problemas de falta de higiene, penso que se irão resolver por si à medida que o Kikko se vai adaptando ao ritmo de casa, ao estar à solta durante bastante tempo e o nível geral de stress vai diminuindo.
Finalmente, outra coisa que ando a tentar fazer é… trabalhar a minha paciência! ;)

Tenho a vantagem de trabalhar principalmente a partir de casa, o que me permite estar mais disponível para os pequenos detalhes que posso ir trabalhando com o Kikko. Além disso, nesta época em que as temperaturas estão mais baixas, quando saio posso levá-lo de carro comigo em vez de o deixar em casa a ladrar (no carro vai bem para a transportadora e fica lá sossegado e sem fazer barulho), pelo menos até confiar nele em casa. Porém, tenho também a desvantagem de ter trabalhos que me requerem demasiadas horas e de ter vários cães, pelo que não posso dar uma atenção tão dedicada como gostaria a vários pormenores. Mas com tempo lá iremos…

O Kikko ainda só cá está há 6 dias. Já se começam a ver algumas melhorias, como a diminuição do nível geral de ansiedade, mas há dias que correm bem e dias que correm pior. E ainda está numa fase de adaptação a um novo ambiente, que ele só conhecia de vir passar um ou outro fim-de-semana de quando em quando. Apenas nos próximos dias/semanas irá começar a sentir-se verdadeiramente em casa e começar a mostrar as suas verdadeiras “cores”. Seja como for, este será um trabalho que irá demorar, mas penso que à medida que o seu nível de confiança (nos outros e em si-próprio) vai aumentado, e com alguma orientação, ele irá acabar por ser um cãozinho bem ajustado.
Se alguém tiver ideias ou sugestões para facilitar este processo, gostaria de as ouvir!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Entrevista com / Interview with Dr. Patricia McConnell


Breve entrevista de Steve Dale a Patricia McConnell, especialista em comportamento animal de reconhecimento internacional. Neste vídeo, ambos conversam sobre a dominância sobre os cães como método de treino e porque não é recomendada. Ou, nas palavras de Steve Dale, “a motivação funciona melhor que a intimidação”. (Vídeo em inglês)

Steve Dale conducts a short interview to Patricia McConnell, animal behavior expert of international merit. In this video, they both discuss dominance over dogs as a method of training, and why it is not recommended. Or, in Steve Dale’s words, “motivation works better than intimidation”.


Adolescence is here!

(versão portuguesa abaixo)


I lived for some years with an Estrela Mountain Dog breeder. This is a breed o f livestock guarding dogs, selected over time to act independently from people. This breeder’s dogs in particular were still quite close to working stock. At the time, I used to have a joke for our “clients” who bragged about their 4/5 month-old puppy being very obedient, sitting and lying down on cue, etc. I would tell them “if your dog still does that when he is 2 years of age, then I will be happy for you”! ;)
The “sad” reality is that even if a puppy is very dependent on people and will do anything to try to please them, sooner or later (depending on the breed type) the dog will reach its adolescence… A time in which, just like with human kids, the world seems to be turned upside down, the dog seems to have forgotten all that he learned and can basically turn into a “rebel”. The good news is that now all dogs go through this stage in such a profound way and… sooner or later they will come out of it! :)
The link bellow points to an excellent piece describing what goes through in doggy adolescence. It is well worth reading and remembering.

My puppy is going into adolescence; or what alien abducted my sweet dog and left this monster clone?


Chegou a adolescência!


(english version above)

Vivi durante alguns anos com um criador de Cão da Serra da Estrela, uma raça de cães de protecção de rebanhos, seleccionada ao longo dos tempos para actuar de forma independente das pessoas. Os cães deste criador em particular estavam ainda bastante próximos dos cães de trabalho. Na altura, costumava ter uma piada para os “clientes” que nos vinham gabar que o seu cachorro de 4/5 meses era muito obediente, sabia sentar-se e deitar-se à ordem, etc. Costumava dizer-lhes “se o cão ainda fizer isso aos 2 anos, então aí sim, ficarei satisfeita consigo”! ;)
A “triste” realidade é que se um cachorro é bastante dependente das pessoas, e tudo tentará fazer para as agradar, ao longo do crescimento, mais cedo ou mais tarde (consoante o tipo racial) o cão irá chegar à adolescência… Um período em que, tal como ocorre nos adolescentes humanos, o mundo parece ficar virado de pernas para o ar, o cão parece esquecer-se de tudo o que aprendeu e basicamente poderá vir a ser um “rebelde”. A boa notícia é que nem todos os cães passam por esta fase de uma forma muito pronunciada e… mais cedo ou mais tarde acabam por sair dela! :)
No link abaixo indicado está um excelente artigo descrevendo o que se passa na adolescência canina, que vale a pena ler e recordar. (Texto em inglês)



segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Atlas of the Dachshund Brain ;)

Encontrei isto no site Dachshund and Dog Art by Terry Pond, e é tão verdadeiro no que diz respeito aos Teckels! :)

I found this at Dachshund and Dog Art by Terry Pond’s Website, and it is so true for Dachshunds! :)


(O desenho está disponível para compra no site / The image is available for purchase at the website)

domingo, 3 de outubro de 2010

Entrevista com / Interview with Dr. Karen Overall

Uma entrevista com a Dra. Karen Overall, MedVet, PhD, Diplomada pelo ACVB.
A Dra. Overall é uma especialista em medicina veterniária comportamental na Universidade da Pensilvânia (EUA)
Neste vídeo, a Dra. Overall debate sobre cães e moralidade, deferência na construção social, dominância, treino de cães baseado na força e Pit Bulls. Vídeo em Inglês

An interview with Dr. Karen Overall VMD, PhD, Diplomate ACVB
Dr. Overall is a specialist in veterinary behavioral medicine at UPenn. (USA)
In this video, Dr. Overall discusses dogs and morality, deference in the social construct, dominance, force based dog training and Pit Bulls


Linguagem corporal & Como abordar um cão / Body language & How to approach a dog


Alguns dos problemas mais comuns na nossa interacção com os cães derivam de os sabermos interpretar correctamente.
Os cartoons abaixo “traduzem” de forma simples o significado de alguma da linguagem corporal dos cães, e indicam os erros mais comuns quando abordamos os cães (principalmente cães desconhecidos).

Some of the most common problems when we’re interacting with dogs come from us not knowing how to interpret them correctly.
The cartoons bellow “translate” in a simple way the meaning of some of dogs’ body language and show the most common mistakes when approaching dogs (specially strange dogs).




Cartoons by Lili Chin, from her blog Doggie Drawings

sábado, 2 de outubro de 2010

Abordar um cão receoso / Approaching a fearful dog


Vídeo sobre como abordar um cão com medo de pessoas, pela Dra. Sophia Yin. A técnica usada no vídeo poderá ser difícil de aplicar se o cão não ligar a recompensas alimentares, mas é também uma questão de tentar identificar o que mais motiva o cão. Infelizmente, normalmente é mais difícil conseguir a cooperação das pessoas que o cão encontra do que propriamente dessensibilizar o cão.
Não é possível incluir o vídeo na mensagem, pelo é necessário clicar no link abaixo indicado. Narrado em inglês

Video on how to approach a dog that is afraid of people, by Dr. Sophia Yin. The technique used may be difficult to apply if the dog does not care about food rewards, but it is also a question of trying to identify what motivated the dog the most. Unfortunately, it is usually more difficult to get the cooperation of the people the dog meets than desensitizing the dog.
It is not possible to embed the video, so just click on the link bellow.


sábado, 25 de setembro de 2010

Seminário de Obedience com Mads Moller

Irá decorrer a 16 e 17 de Outubro um Seminário de Obedience, ministrado por Mads Moller, da Dinamarca, Campeão Mundial da modalidade em 2008. A organização está a cargo do Doggy Clube. Para mais informações: geral@doggyclube.com ou 919038198.

On the 16th and 17th of October, Mr. Mads Moller, from Denmark, World Champion in 2008, will do a seminar in Portugal, organized by Doggy Clube. For more information: geral@doggyclube.com or 919038198.